quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Oposição quer saber como Pimentel ficou rico e aprender com ele

O PSDB protocolou duas representações contra o ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) nesta quarta-feira (7). Uma na Comissão de Ética Pública da Presidência da República e a outra no Ministério Público Federal do Distrito Federal.

Para a Comissão de Ética, o partido pediu a abertura de processo administrativo para a apuração da conduta do ministro "em razão da possível prática de ato atentatório contra os princípios éticos que norteiam as atividades dos órgãos superiores da Presidência da República e a quebra de decoro por parte do representado".

Já a representação na Procuradoria, solicita a abertura de inquérito civil para a apuração de suposta prática de improbidade consistente em enriquecimento ilícito decorrente de tráfico de influência por parte do ministro.

Segundo nota do PSDB, no documento entregue à Procuradoria, os líderes do partido na Câmara, Duarte Nogueira, e no Senado, Álvaro Dias, destacam que acreditam haver uma semelhança com o caso do ex-ministro Antonio Palocci que levou o Ministério Público a decidir pela abertura de inquérito civil para apurar prática de improbidade administrativa por parte do ex-ministro da Casa Civil. Palocci pediu demissão após denúncia de que havia faturado R$ 20 milhões como consultor de empresas.

CONSULTORIA

Uma empresa que pagou R$ 400 mil à consultoria do ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento Industrial) manteve contrato com a Prefeitura de Belo Horizonte no período em que o petista administrou a capital mineira.

A empresa de informática QA Consulting Ltda. firmou contrato de R$ 173,8 mil com a Prodabel, empresa municipal de processamento de dados, em agosto de 2005.

Após Pimentel deixar a prefeitura, em 1º de janeiro de 2009, a QA contratou a consultoria do petista por R$ 400 mil, valores pagos em duas parcelas de R$ 200 mil.

O contrato de 2005 com a prefeitura foi assinado com uma empresa do grupo QA, a Techwise Solutions Soluções em Softwares Ltda., segundo a administração municipal.

Esse contrato vigorou até agosto de 2009 e foi feito por concorrência pública, na modalidade carta-convite.

O ministro declarou que não há nenhuma irregularidade nas consultorias que prestou e classificou como "pequena" a QA.

Um dos donos da QA é filho de Otílio Prado, sócio de Pimentel na P-21, e que hoje trabalha no gabinete do prefeito Marcio Lacerda (PSB).

Nenhum comentário:

Postar um comentário